19 de abr de 2011

Vi e Recomendo #4

Depois de tanto tempo sem postar (afinal o ultimo post foi apenas um aquecimento...), resolvi mostrar a vocês algo que eu descobri recentemente.
Fiquei muito impressionado, achei a idéia fantástica e o fato de que é algo inusitado e que até o momento era desconhecida para mim.

Sempre pensei que a surdez fosse algo que impediria as pessoas de apreciar, compor e desfrutar das músicas (ignorância minha...) , porém vi que não é bem assim que acontece.

Existem pessoas e grupos que possuem problemas auditivos que são verdadeiros pioneiros ou desenvolvem um trabalho bem interessante em suas áreas. Vou citar 3 deles:

O primeiro é o projeto é o Corposinalizante, que surgiu com a criação do blog em 7 de novembro de 2008. A idéia era reunir um grupo de jovens artistas, educadores e pesquisadores surdos e ouvintes para realizar formação de jovens, reportagens, pesquisas, encontros com artistas e educadores, documentários, performances e intervenções urbanas.
O principal objetivo é quebrar as barreiras de comunicação da comunidade surda e também mostrar ao mundo que os surdos são tão capazes como os ouvintes. (Mais informações acesse o blog).

A segunda é uma balada pensada por surdos, para surdos, sem excluir os ouvintes. Organizada por Leonardo Cartilho, a balada que teve sua 3º edição em SP no dia 16/04/2011, têm como objetivo mostrar que a música é universal (coisa que já venho dizendo faz um bom tempo por aqui...) e arrecadar fundos para a construção de uma casa de show para este público em especial. O chão é feito de madeira para dar ainda mais vibração para a música.

Trecho da entrevista com Leo Cartilho

E por último e mais impressionante (obviamente sem desprezar ou tirar o valor dos anteriores...), por tratar de algo que realmente foi inédito no mundo musical...

O Finlandês Marko Vuoriheimo é um Rapper surdo conhecido por Signmark e descreve sua música como um rap engajado, que possui propósitos sociais. Nasceu em uma família de cantores e por isso desenvolveu o canto. Ele acredita que os surdos, não devem ser vistos como incapazes e sim como uma minoria que possui sua própria língua e cultura.
Começou em 2004 a compor suas próprias músicas, levando em conta os sinais para a comunicação com os surdos, além das linhas de baixo (instrumento ok?) que devem ser bem marcadas para que ele possa acompanhar a música e suas rimas encaixem no tempo da mesma.
Outra coisa importante são as expressões faciais que ele faz, para reforçar os sinais feitos com suas mãos.

Ele levou a música a um patamar mais ideal, onde uma minoria, antes excluída, pode desfrutá-la e até mesmo entende-la. As pessoas agora têm a oportunidade de sentir o que é cantado, com ele tanto surdos como ouvintes conseguem gostar e concordar com o que é dito.

Signmark - Spearkerbox

Finalizando o post deixo um trecho do refrão pra vocês...

"...Deixe sua alma ser uma caixa de som
Você tem a chave nas suas mãos
Se abra relaxa e faça o que você tem que fazer..."


#Ouvindo Arbol - Gente

Um comentário: