19 de abr de 2011

Vi e Recomendo #4

Depois de tanto tempo sem postar (afinal o ultimo post foi apenas um aquecimento...), resolvi mostrar a vocês algo que eu descobri recentemente.
Fiquei muito impressionado, achei a idéia fantástica e o fato de que é algo inusitado e que até o momento era desconhecida para mim.

Sempre pensei que a surdez fosse algo que impediria as pessoas de apreciar, compor e desfrutar das músicas (ignorância minha...) , porém vi que não é bem assim que acontece.

Existem pessoas e grupos que possuem problemas auditivos que são verdadeiros pioneiros ou desenvolvem um trabalho bem interessante em suas áreas. Vou citar 3 deles:

O primeiro é o projeto é o Corposinalizante, que surgiu com a criação do blog em 7 de novembro de 2008. A idéia era reunir um grupo de jovens artistas, educadores e pesquisadores surdos e ouvintes para realizar formação de jovens, reportagens, pesquisas, encontros com artistas e educadores, documentários, performances e intervenções urbanas.
O principal objetivo é quebrar as barreiras de comunicação da comunidade surda e também mostrar ao mundo que os surdos são tão capazes como os ouvintes. (Mais informações acesse o blog).

A segunda é uma balada pensada por surdos, para surdos, sem excluir os ouvintes. Organizada por Leonardo Cartilho, a balada que teve sua 3º edição em SP no dia 16/04/2011, têm como objetivo mostrar que a música é universal (coisa que já venho dizendo faz um bom tempo por aqui...) e arrecadar fundos para a construção de uma casa de show para este público em especial. O chão é feito de madeira para dar ainda mais vibração para a música.

Trecho da entrevista com Leo Cartilho

E por último e mais impressionante (obviamente sem desprezar ou tirar o valor dos anteriores...), por tratar de algo que realmente foi inédito no mundo musical...

O Finlandês Marko Vuoriheimo é um Rapper surdo conhecido por Signmark e descreve sua música como um rap engajado, que possui propósitos sociais. Nasceu em uma família de cantores e por isso desenvolveu o canto. Ele acredita que os surdos, não devem ser vistos como incapazes e sim como uma minoria que possui sua própria língua e cultura.
Começou em 2004 a compor suas próprias músicas, levando em conta os sinais para a comunicação com os surdos, além das linhas de baixo (instrumento ok?) que devem ser bem marcadas para que ele possa acompanhar a música e suas rimas encaixem no tempo da mesma.
Outra coisa importante são as expressões faciais que ele faz, para reforçar os sinais feitos com suas mãos.

Ele levou a música a um patamar mais ideal, onde uma minoria, antes excluída, pode desfrutá-la e até mesmo entende-la. As pessoas agora têm a oportunidade de sentir o que é cantado, com ele tanto surdos como ouvintes conseguem gostar e concordar com o que é dito.

Signmark - Spearkerbox

Finalizando o post deixo um trecho do refrão pra vocês...

"...Deixe sua alma ser uma caixa de som
Você tem a chave nas suas mãos
Se abra relaxa e faça o que você tem que fazer..."


#Ouvindo Arbol - Gente

11 de abr de 2011

Cover da Semana, recomendo...#2

Começo este post dizendo o qual impressionante o universo musical é. Tantas misturas e possibilidades dentro de um mesmo tema são incríveis e passíveis de admiração. Não é à toa que a música cativa as pessoas.

Enfim vamos ao cover...

Acredito que muitos (mesmo os que não gostam do estilo) já tenham ouvido falar de Depeche Mode, com suas músicas de aspecto sombrio. Uma das grandes bandas representantes da música eletrônica. A música que é considerada sua assinatura musical do grupo, já foi regravada por várias bandas como Breaking Benjamin, Keane, Tori Amos, Lacuna Coil, Nada Surf, Scala & Kolacny Brothers, Entwine, Failure, It Dies Today, Evergreen Terrace, Tanghetto, The Academy Is..., Cobra Starship, Anberlin, HIM, Matthew Good, Bell X1, Apoptygma Berzerk, e No Use for a Name.

Bem, variando entre neo tango, techno, metalcore, punk rock e etc... depois de ouvir todos esses (algumas boas versões e outras nem tanto...) cheguei a três principais covers dessa obra de arte do Depeche Mode:



Em primeiro a original...Afinal original é original, e serve também para estabelecer um parâmetro de análise...



Em segundo, a que eu acredito que tenha conseguido contextualizar a música para o rock, e interpreta-la de forma em que o estilo gótico da banda casasse perfeitamente com o conteúdo original da música.
(Lacuna Coil)



Em terceiro o que mais me impressionou pelo fato de a banda ter reinterpretado a música de forma completamente inusitada, alterando a sonoridade da mesma, possibilitando uma mudança na percepção do ouvinte, deixando-a mais alegre e pop.
(Nada Surf)


E apesar de muitas outras merecerem o posto, fica pra essa versão folk/acústica a terceira posição dos covers.
(Bell X1)

Alguns outros artistas me impressionaram na interpretação desse clássico do synth-pop, entre eles o grupo Scala & Kolacny Brothers, um coral feminino belga que já reinterpretou alguns clássicos da música como este por exemplo.

Enfim sempre que não tiver mais o que ouvir...

...Enjoy the Silence


#Ouvindo Scala and Kolacny Bros - With or Without You